Inovação: O dia em que a estrela do Barcelona chegou à cidade

No final do mês de Janeiro de 2000, o argentino foi com o pai a Barcelona para fazer um treino de captação. Foi contratado e é a estrela do clube.

Nas ruas do bairro de La Bajada, em Rosário, na Argentina, ninguém tratava Lionel Messi, a estrela do Barcelona, pelo nome. Durante a adolescência, amigos e vizinhos decidiram arranjar-lhe uma alcunha: “A pulga”. Para a escolher, os habitantes de La Bajada basearam-se nas duas características mais comuns em Messi. O jogador passava horas a fazer malabarismos com a bola e tinha uma altura muito inferior para a idade. Aos 13 anos, media apenas 1,40 metros, quando o normal seria ter, no mínimo, mais 10 centímetros. Em 2000, Messi pediu ao pai para o levar aos treinos de captação do Barcelona. Quando lá chegou, o treinador e os outros miúdos olharam para Messi, miúdo franzino e baixinho, com alguma estranheza. Uma hora mais tarde, estavam maravilhados.

O futebolista fintava os colegas, corria como uma seta, e rematava à baliza com uma facilidade invejável. No final do treino, o técnico do Barcelona disse-lhe que o clube estava interessado na sua contratação. Alguns meses antes, a vida de Messi era muito diferente. Jogador das camadas jovens da equipa argentina do Newell´s Old Boys, os responsáveis do clube não lhe previam grande futuro pelo fraco porte físico. No entanto, os médicos sugeriram à família uma solução – levar injecções de hormonas para aumentar a altura. Jorge Messi, o pai, ainda tentou convencer o clube a pagar os tratamentos ao filho, que custavam 900 dólares por mês.

Porém, ninguém do Newell´s Old Boys quis assumir a despesa. Desesperado por também não ter dinheiro suficiente para curar o filho, Jorge, empregado numa indústria metalúrgica, decidiu levar a família para outro país. Deixaram o bairro de classe média-baixa de La Bajada e foram viver para Lérida, em Espanha, para a casa de uns familiares. O pai de Messi queria arranjar um emprego onde lhe pagassem mais. Mas o talento do filho para o futebol acabou por ser a salvação. Em 2000, o técnico do Barcelona disse-lhe que o clube estava interessado na sua contratação e que iria propor ao Barcelona o pagamento dos tratamentos. Durante dois anos e meio, Messi levou regularmente injecções de hormonas nas pernas. O resultado foi fantástico: em 30 meses, aumentou 29 centímetros.

Ao mesmo tempo que crescia, o futebolista afirmava-se no Barcelona. Em 2003, estreou-se aos 16 anos na equipa principal num jogo particular frente ao FC Porto para comemorar a inauguração do Estádio. E, a 1 de Maio de 2005, tornou-se o futebolista mais jovem da história do Barcelona a actuar na equipa principal e a marcar um golo frente ao Albacete, numa partida para o campeonato.

A chegada à selecção principal da Argentina não tardou. Depois de se ter tornado o melhor jogador e marcador do Mundial de Sub-20, Messi conquistou outro recorde. Na Alemanha, foi o quinto jogador mais jovem de sempre a marcar um golo num Mundial. Frente à Sérvia e Montenegro – vitória por 6-0 da Argentina – o avançado entrou a um quarto de hora do final do encontro. Mesmo assim, ainda foi a tempo de fazer o último golo. Há pouco tempo, o Barcelona renovou o contrato com o jogador até 2018 e fixou uma cláusula de rescisão fixada em 335 milhões de dólares.

Messi ganha mais uma Bola de Ouro

Bolade Ouro foi entregue na semana passada em Zurique (Suíça) ao argentino Lionel Messi (41,33%), que derrotou o português Cristiano Ronaldo (26,76%) e o brasileiro Neymar (7,86%). Lionel Messi, jogador do Barcelona e da selecção argentina, ganhou, pela quinta vez, a Bola de Ouro, entregue ao melhor futebolista do ano. Foi a quinta distinção de melhor do mundo ganha por La Pulga, que ganhara o troféu de 2009, 2010, 2011 e 2012. e deixa ao português o difícil desafio de reconquistar o n.º1 mundial numa idade – à beira dos 31 anos – em que raros atletas o conseguiram nas últimas décadas. No entanto, António Simões, velha glória da seleção nacional, e José Soares, especialista em fisiologia, creem que “ainda vamos vê-lo muitos anos no topo”. O jogador do Barcelona (a quem ontem só faltou a vitória no Prémio Puskas, entregue pelo voto popular ao outsider brasileiro Wendell Lira) subiu mais um degrau rumo à eternização como um o melhor futebolista de sempre.

Perfil

Na opinião da grande maioria dos especialistas do desportivo, sua qualidade técnica, jogadas, velocidade, habilidade na perna esquerda, trabalho de equipa e extraordinária vocação para o golo, o tornam o melhor futebolista do mundo actualmente. Os europeus desde já o comparam aos grandes nomes da história do futebol, como Pelé, Tostão, Garrincha, Di Stéfano, Maradona, Puskás ou Cruijff, o colocando como 2º maior jogador de todos os tempos atrás somente de Pelé. Seus feitos com a camisa do Barcelona o levaram a arrebatar por cinco vezes (2009, 2010, 2011, 2012 e 2015) o Ballon d’Or, oferecido pela revista francesa especializada France Football, a mais tradicional premiação do futebol mundial, que a partir de 2011 passou a denominar- se Bola de Ouro da FIFA.

Em março de 2012, com apenas 24 anos, Messi se tornaria o maior artilheiro da história do Barcelona, superando o ídolo do clube catalão nas décadas de 1940 e 1950, César Rodríguez. Ao marcar o seu 91º golo em Dezembro de 2012, em partida contra o Valladolid (Barcelona 3-1), Messi superou o recorde de golos num só ano no futebol mundial, considerando apenas partidas oficiais disputadas com a camisa do Barcelona e Selecção Argentina. No dia 26 de Agosto de 2009, Messi fixou a sua prorrogação de contrato com o Barcelona, válida até Junho de 2016. Sua multa rescisória está avaliada em € 300 milhões (R$ 800 milhões), sendo considerada uma das maiores da história do futebol. Messi recebe aproximadamente um salário de € 875 mil (R$ 2 milhões), se tornando o segundo futebolista mais bem pago da actualidade, perdendo apenas para o português Cristiano Ronaldo, do Real Madrid.

Mais informação encontre no jornal imprenso já nas bancas!

Inovação: O dia em que a estrela do Barcelona chegou à cidade

| ... E AINDA |
About The Author
-