Movimento do Porto de Luanda baixa 4% e do Lobito 30%

As direcções dos portos do Lobito e de Luanda são unanimes em afirmar que os
resultados foram fortemente influenciados pelo estado actual da economia nacional

A movimentação de cargas do Porto de Luanda registou uma descida para 183 mil e 170 toneladas, o que representa uma queda de 4% no primeiro semestre de 2015 em comparação com o mesmo período do ano passado.

Quanto às operações com contentores, estas tiveram um decréscimo de 14% movimentando apenas 405.185 TEU [medida standard utilizada para calcular o volume de um contentor] contra os 469.333 do período homólogo de 2014.

Segundo Manuel Zangui, administrador comercial do Porto de Luanda, os resultados foram fortemente influenciados pelo estado actual da economia nacional.

O administrador comercial atribui também os resultados actuais ao facto dos portos de Angola serem maioritariamente importadores.

Mas, admite, que o cenário poderá ser alterado nos próximos anos: “no quadro das políticas que estão a ser gizadas pelo executivo e que visam a diversificação da economia, temos a certeza que muito em breve passaremos de importadores a exportadores”, disse.

Manuel Zangui acredita que o movimento de carga volte a crescer no último trimestre deste ano, reflexo da aproximação da quadra festiva, “até ao final do ano haverá um ligeiro aumento”, afirmou.

O administrador, que conversou com o SE na 5ª edição da Feira Internacional sobre Transportes e Logística de Angola em que o Porto de Luanda foi premiado com o galardão de melhor empresa portuária do país, aproveitou para explicar que a sua instituição continuará a investir em colaboração com as entidade competentes em equipamentos e melhoria dos acessos marítimos e terrestres, “processo que vai permitir um maior escoamento de mercadorias”

Já o Porto do Lobito registou uma quebra maior no movimento de cargas: 30% no primeiro semestre em comparação com o período do ano passado.

Tal como o Porto de Luanda, o presidente do Conselho de Administração do Porto do Lobito, Anapaz de Jesus Neto, responsabiliza a crise financeira pelo balanço negativo da actividade portuária: “podemos considerar que perdemos cerca de 30% da nossa navegação. Antes passavam pelo Porto do Lobito cerca de 80 a 90 barcos por mês, hoje passam, em média, entre 35 e 40”, lamentou.

Anapaz de Jesus Neto acrescentou ainda que, “a partir do momento em que os importadores deixaram de ter divisas para fazer importação. o porto passou a receber menos navios e menos mercadoria”.

Ao contrário do director comercial do Porto Luanda que acredita que as festas possam trazer um crescimento no movimento geral da empresa, o presidente do conselho de administração do Porto do Lobito mostra-se mais céptico.

Anapaz de Jesus lembra que, regra geral, nos últimos três meses do ano há maior movimentação de carga, o que não está a acontecer este ano: “nós costumamos manusear anualmente 2.5 milhões de toneladas. Estamos longe deste número”, reconheceu, referindo ainda que, até agora, recepcionaram apenas 900 toneladas de produtos.

Ainda assim, resta-lhe algum optimismo: “com a modernização do porto prevê-se o manuseio de 11 milhões de toneladas de carga anuais”, avançou.

Movimento do Porto de Luanda baixa 4% e do Lobito 30%